segunda-feira, 29 de junho de 2009

CARTILHA CAMINHO SUAVE

"CARTILHA CAMINHO SUAVE" - ANOS 50/60 (Alfabetizou gerações. Hoje os "entendidos" a repudiam). Sua primeira edição foi em 1948.



CLIQUE AQUI PARA LER/VER MATÉRIA MAIS COMPLETA SOBRE ESSA CARTILHA (COM CARTAZES DOS ANOS 50).

14 comentários:

Anônimo disse...

MEU PREZADO AMIGO, OS "ENTENDIDOS" HOJE, VIVEM BATENDO CABEÇA!PARABÉNS PELO BLOG, MEU FRATERNO ABRAÇO!
QUERO TE PERGUNTAR:
PROCURO UMA CARTILHA CHAMADA "CONVITE À LEITURA" DO FINAL DE 1969 E ÍNICIO DOS ANOS 70.
SABERIA COMO CONSEGUI-LA?
JÁ PROCUREI EM DIVERSOS SEBOS, E NÃO A ENCONTREI.
ABRAÇOS.

"blcamargo" disse...

Obrigado pelo comentário, Antônio. Quanto à sua procura, infelizmente não sei como ajudá-lo. Grande abraço.

acesso disse...

Prezado amigo.
Parabéns pelo blog. Tenho passado por aqui com frequencia, deleitando-me com as surpresas que suas "antiguidades" nos propiciam. Adorei "reencontrar" a cartilha CAMINHO SUAVE, através da qual meus primeiros professores abriram-me as portas do mágico mundo das letras.
Continue a nos proporcionar essas maravilhas.
Um abraço

Osni Boeing

"blcamargo" disse...

Grato, Osni, pelas palavras de incentivo. Continue passeando pelos "tempos de outrora" (agora com áudio).
Grande abraço

Jaque disse...

Os "entendidos" repudiam a alfabetização pela imagem que a CAminho Suave trazia porque não aprenderam a ler, não sabem escrever, não sabem interpretar um texto, desenvolver uma redação; Não sabem o minimo para comunicar-se com o mundo que o cerca. Certamente são os mesmos que criaram o bizarro conceito de "analfabeto funcional".
Me orgulho de ter aprendido a ler com a CAminho Suave e lamento profundamente que não seja mais assim nos dias de hoje

"blcamargo" disse...

Valeu, Jaque! É isso aí. Grato pela visita e comentário. Volte sempre. Grande abraço.

todeboa disse...

acho que a infancia hj em dia foi roubada ,não tiveram o mesmo previlégio que nós hj tivemos um dia....a cartilha caminho suave fez parte de minha infancia ,agora voltando acho que as crianças de hj em diante irão saber aproveitar muito bem....

"blcamargo" disse...

"todeboa", grato pela visita e comentário. Volte sempre. Abração.

sonia lucia disse...

Estou simplesmente encantada com o seu blog.Simplesmente passei por tudo isso que vc postou,só que ainda valorizo muito tudo que aprendi,acho o ensino hoje em dia muito solto so com um objetivo,passar no vestibular e não aprender.Parabéns!

"blcamargo" disse...

Grato, Sonia, pela visita e simpático comentário. Abração.

Wilson Roberto linares disse...

Fiquei emocionado em poder ter revisto essa cartilha, e lembrando no há infância, comprei uma na livraria Saraiva para minha neta de 5 anos, mas não chega aos pés dessa edição, rodeia muitos sebos para ver se conseguia encontrar essa maravilha, nas sem sucesso, parabéns mesmo, vcs não sabem a alegria que me proporcionaram.

Wilson Roberto linares disse...

Procuro um livro chamado

Curumim do Araguaia, não consigo encontrar

Wilson Roberto linares disse...

Procuro um livro chamado

Curumim do Araguaia, não consigo encontrar

Jaque disse...

Wilson Roberto: Realmente encontrar a Caminho Suave não é tarefa fácil.
Requer muito tempo, paciência e principalmente sorte. Várias vezes comprei em livrarias, mas não era a edição na qual minha irmã e eu aprendemos a ler entre 1975/78.
Depois de muito garimpar no Mercado Livre e conversar exaustivamente com o vendedor, pedir fotos e informações das páginas e imagens que eu lembrava (somente quem usou a Caminho Suave diz que “a letra Z é de Zabumba rsrs), conseguimos comprar a que queríamos exatamente. Pagamos 500 reais, imagine! Morrendo de medo que fosse um embuste, pois pagamos em dinheiro, à vista e se a pessoa fosse desonesta podia mandar um tijolo no lugar da cartilha. Por sorte era um vendedor sério.
Na capa ela tem uma inscrição à caneta: 1961 e apesar de ser bem antiga está muito bem conservada; Creio que a pessoa que a vendeu para o antiquário do qual comprei, a usou naquele ano. Se eu, quando criança, pudesse sonhar que um dia ela seria tão preciosa e a tivesse conservado, por dinheiro nenhum no mundo declinaria de possuí-la, mas sabe-se lá, não é? Às vezes foi um caso de precisão extrema (ou falta de apego extremo às memórias tão caras da infância) . Enfim, hoje a conservo num estojo preto para jóias, forrado de veludo vermelho e de vez em quando a folheio ou fotografo algumas páginas para deleite dos meus amigos virtuais rsrs