sábado, 30 de outubro de 2010

ESTANTE DE LIVROS

Emília (boneca), Dona Benta, Narizinho, Tia Anastácia, Pedrinho, Marquês de Rabicó (porquinho), Visconde de Sabugosa (sabugo de milho)... Quem não conheceu?
Foram companheiros da rapaziada dos Anos Dourados nas "eletrizantes"  e muito educativas aventuras  escritas por Monteiro Lobato.

Edição de 1954





Originalmente publicado em 1941. Discute o meio ambiente a partir da engraçada idéia de Emília (só podia ser dela!) em corrigir os "erros" da Natureza (exemplo: porque a centopéia tem tantas pernas e a coitada da minhoca nenhuma?)








Os personagens viviam num lugar mágico (Sitio do Pica Pau Amarelo), onde a imaginação corria solta.
A obra infanto-juvenil de Lobato deu grande contribuição na formação do hábito da leitura de grande parte da garotada dos anos 50/60.



Edição de 1960



Lançado em 1934. Uma divertida maneira de estudar a Língua Portuguesa através de inteligente dramatização da Gramática. A criança é motivada ao estudo pelas brincadeiras.




Com esses dois livros iniciamos a apresentação de uma série de trabalhos de Monteiro Lobato (também  com obras dirigidas ao público adulto).


VITROLA ANTIGA - "Ao Mestre Com Carinho"

Lembram-se da cantora escocesa LULU?
Clique na telinha e ouça "Ao Mestre Com Carinho", seu grande sucesso de 1968/69.


IMAGENS - Velharia: Maço de Cigarro - VIII

Maços dos anos 50 (que existiam desde a década de 40).
Essa marca "Caporal" tinha diversos tipos: lavado, amarelinho, douradinho, mineiro e, até, sem nicotina (incrível!)














Outros maços aqui, aqui e aqui.

AVISOS - MURAL DE LEMBRETES

  • Próxima atualização: 15.11.10
  • Veja todo o acervo acumulado
  • Divulgue este Blog aos seus parentes e conhecidos "mais vividos". Incentive-os a viajarem ao Passado. Isso faz bem à mente.
  • Clique nas imagens, para aumentá-las

IMAGENS - Disco: "The Jet Black's"

Quatro rapazes formaram, em S.Paulo, esse conjunto de rock em 1961.
No ano seguinte já estavam gravando o seu primeiro disco (78 rotações). Eles se deram bem e a carreira deslanchou. Logo vieram outros discos, shows, programas de rádio e TV e acompanhamento dos cantores famosos da Jovem Guarda (Celly Campelo, Ronnie Cord, Roberto Carlos e outros).


1962/63


Anos após a formação o conjunto deixou de executar só música instrumental para apresentar, também, números vocais.

1964


O final dos anos 60, com as frequentes trocas de integrantes, marcou o início do declínio do conjunto. Nesse tempo já tinha gravado dezenas de discos (sucessos de venda).


1966


1967


Clique na telinha abaixo e ouça o mega sucesso "APACHE", que iniciou a carreira vitoriosa do conjunto. Para dar "clima", essa música tem até som imitando tambor de índio.







Mais discos aqui, aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Gibi: "Capitão 7"

Personagem brasileiro criado nos anos 50 (com direito às características dos super-heróis americanos).
Seu grande sucesso foi na TV. Veja mais sobre ele e sua turma aqui.


Anos 60


Anos 60


1965

IMAGENS - Anúncio: Sal de Fruta ENO

Fabricado no Brasil desde 1932. Os anúncios abaixo são dos anos 40. Um tempo em que a empresa fabricante explorava a influência (realmente comprovada) da prisão de ventre no humor das pessoas. O produto era apresentado como laxante (os anúncios abaixo são da década de 40/50. clique em cada um para ler os textos mais facilmente).










Os tempos mudam e o marketing também. Nos dias de hoje (e já há bastante tempo) o ENO é mostrado apenas como um antiácido, indicado para "problemas gástricos".


Outros anúncios (1)     (2)     (3)     (4)     (5)     (6)

IMAGENS - Gibi: "Dale Evans"

Gibi americano da rainha do "velho oeste" (um só dela, que sempre aparecia no gibi do marido Roy Rogers).


1956


1956


1958


Mais gibi aqui e aqui.

FATOS - Parada de Sucessos

Mais sucessos de 1958:

-Love me Forever (The Playing)

-Le Gondolier (Franck Pourcel)

-Castigo (Dolores Duran)

-Cabecinha no Ombro (Alcides Gerardi) = clique na telinha para ouvir essa música que "estourou" em todo  o país (e era cantarolada por nossas mães e avós)







FATOS - Notícias da Época - Morte de Castelo Branco (Em 19 de julho de 1967))


CASTELO BRANCO MORRE EM ACIDENTE AÉREO


Ontem, no Ceará, uma colisão aérea vitimou o ex-presidente Castelo Branco, que havia deixado a Presidência da República há quatro meses.
O avião em que ele estava, com mais seis pessoas, foi atingido na cauda por um caça militar e caiu em "parafuso". Sem grandes problemas, o jato da aeronáutica conseguiu pousar na sua base.  Quanto ao bimotor abalroado o resultado foi trágico: com excessão do co-piloto, salvo milagrosamente, todos os demais morreram no choque da pequena aeronave com o solo.

Assim ficou o avião


Circulam rumores de que o avião do ex-presidente teria invadido a zona destinada ao avião da FAB. Aguarda-se para os proximos dias manifestação das autoridades sobre as reais causas do acidente.
O Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, de 70 anos, foi o primeiro presidente do regime militar implantado pelo golpe de 1964, do qual foi um dos principais líderes.




Durante o dia de hoje seu corpo será velado no Clube Militar. O sepultamento ocorrerá amanhã no Cemitério de São João Batista, também no Rio de Janeiro. Foi decretado luto nacional de 8 dias.


Outras notícias aqui, aqui, aqui  e aqui.

IMAGENS - Brinquedo: "VIEW-MASTER"

Brinquedo americano dos anos 50 (que também chegou por estes lados, é claro!). Criado na década de 30, era uma espécie de binóculo em que se viam imagens (estáticas) de um disquinho. Havia variedade de tema: cowboys, animais, desenhos Disney, etc.

 


As cartelas (discos) tinham pares de fotos (slides) que, depois de focadas com os dois olhos, passavam a impressão de profundidade (um "3-D" jurássico). Mas não eram todas as versões que davam esse efeito tridemensional (só os mais caros).




Uma pequena alavanca lateral mudava as imagens, quando pressionada.
Não era fácil de ser econtrado (só trazido pelos grandes magazines, geralmente das capitais) e nem era para todos os bolsos (pelo preço). Mas muita criança (e adulto) brasileira se distraiu com esse belo presente, principalmente na década de 60.






Outros brinquedos aqui e aqui.

IMAGENS - Escola: Livro "Infância Brasileira"

Mais livro escolar usado no Grupo Escolar dos anos 50/60.

1958


contra-capa



Veja outros livros aquiaqui e aqui.

IMAGENS - Velharia: Produtos americanos antigos

Bolsas femininas dos mais variados tipos e alguns modelos de máquinas fotográficas.



 



As bolsas ainda são uma boa sugestão. As máquinas, porém, estão um pouco defasadas. Afinal das contas, eram produtos que os americanos consumiam em ... 1948!

IMAGENS - Revista: "Diversões Escolares"

Em 1960 a Editora Abril lançou duas revistas: "4 Rodas" (carros) e "Diversões Escolares" (para a criançada em idade escolar).
A primeira circula até hoje e é a mais importante publicação da sua área. Com a outra, que é o nosso foco, esse sucesso não ocorreu: durou poucos anos.

1963





No começo de 1962, na tentativa de melhorar a vendagem,
seu nome original foi mudado para Diversões Juvenis.

1961






Isso não teve o efeito desejado. Aguentou mais ou
menos um ano e acabou de vez.







1962





Tinha história em quadrinhos (normalmente os clás-
sicos da Disney), passatempo,entrevista, etc.












Mas, a maior parte era de texto.







Essa vida curta talvez seja explicada pelas características da revistinha (servia, até, para pesquisa escolar, dado o seu conteúdo um tanto quanto educacional).
A garotada, na sagrada "hora da leitura", queria material para distração e não que lembrasse a escola (os nerds adoravam).

Mais revista aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Cartaz: "Candelabro Italiano"

É desse filme uma das música tema mais românticas de toda a história do cinema, que marcou a adolescência de muita gente: "AL DI LA".
"Candelabro Italiano", de 1962, foi grande sucesso mundial e mostra o romance atribulado de um jovem casal de namorados em Roma, representado por Troy Donahue e Suzanne Pleshette.







É uma história de amor bastante singela e inocente, valorizada pelas belas imagens de Roma.





Assista e um trechinho do filme, com os dois namorados ao som de Al Di Lá. Suzanne faleceu em 19.01.68, aos 70 anos.




Mais cartaz aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Carro: "EDSEL"

Na metade dos anos 50 a Ford americana iniciou estudos para fabricação de um carro destinado a competir com o BUICK, PONTIAC, OLDSMOBILE (da GM) e o PLYMOUTH (da CHRYSLER).
Para isso ela só tinha um modelo, o MERCURY, e estava perdendo clientes para as outras marcas.




Ao novo automóvel foi dado o nome de Edsel, cuja produção iniciou-se no final de 1957. Nas fotos, modelos conversíveis de 1958 (da primeira "fornada") e parte do seu interior.




Ele era um carro diferente de todos da sua faixa e tinha muita inovação tecnológica e uma grande variedade de tipos.




Mas tudo isso não foi suficiente para agradar o consumidor americano. A vendagem foi ficando muito longe do esperado e sua vida foi curta (anos 58-59-60).


Outros carros:  (1)     (2)     (3)    (4)    

FATOS - Cinema Brasileiro

Filmes lançados em 1966:

-Onde a Terra Começa = Drama com: Irma Alvarez, Luigi Picchi e Maurício Nabuco

-O Padre e a Moça = Drama com: Helena Ignêz, Paulo José e Mário Lago

-Paraíba, Vida e Morte de um Bandido = Policial com: Jece Valadão, Darlene Glória e Ítalo Rossi

-Engraçadinha Depois dos Trinta = Drama com: Irma Alvarez, Fernando Torres e Vera Vianna

IMAGENS - Velharia: envelope e papel de carta

Esse material tinha muita procura nos bazares e armazéns dos anos 50 e 60.
"Ben-Hur" se destacava (embora pouca atenção fosse dada à marca).


 Anos 50/60




A internet (com seus e-mails)  e o telefone (com as facilidades de hoje, pois antigamente poucos tinham e a ligação era um martírio), vêm abrindo caminho para tornar cada vez mais obsoleta a troca de cartas no relacionamento das pessoas. Os Correios que o digam.
Aquelas cartinhas escritas com capricho e letras bonitas estão ficando apenas na memória dos mais vividos (ainda bem!).


1968



1954



1953



Mais velharias aqui, aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Álbum de Figurinha: "Balas Ídolos"

Mais um álbum de bala (guloseima e não a outra). Também distribuía prêmio, como mostra a contra capa.
Este é de 1960, com figurinhas de jogadores de futebol dos times de S.Paulo e R. de Janeiro que disputavam, anualmente, o então considerado Torneio Roberto Gomes Pedrosa (antigo Torneio Rio-S.Paulo).
Em 1967 essa competição foi aberta a clubes de outros estados e, em 1971, foi substituída pelo Campeonato Brasileiro.











Mais álbum aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Velharia: Cigarrinhos PAN

É injustamente "amaldiçoado" por simbolizar um produto politicamente incorreto, que é o cigarro  nos dias de HOJE (mas que não o era antigamente).
Esse chocolate (que, diga-se de passagem, não era tão gostoso assim) apenas servia para a garotada brincar de adulto, imitando o gestual do pai, do irmão "grande", do tio, do vizinho, do professor, etc,  em uma coisa que eles (pelo menos grande parte) faziam  toda hora e em qualquer lugar (até dentro de casa): fumar. Nesse "ritual" havia até fumaça imaginária. Quando a brincadeira enjoava, os cigarrinhos eram comidos pelos "fumantes", após labuta para tirar o papel colado (que insistia em não se soltar).

 Eis a "carteira de cigarro", em sua 1ª versão.


Eram os anos 50/60, época em que a propaganda do tabaco corria solta na TV, rádio, revistas e jornais.
Esse doce foi comercializado de 1952 a 1996. Depois, deixou de ser cigarrinho para virar rolinho e, atualmente, lápis.
A empresa Chocolate Pan, fundada em 1935, existe até hoje, com confeitos de chocolate.

Mais velharia: (1)     (2)    (3)     (4)     (5)     (6)


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

IMAGENS - Disco: The Mamas & The Papas

Quarteto vocal americano, de existência efêmera, responsável por sucessos mundiais retumbantes como "Monday, Monday" e "California Dreamin". Existiu de 1966 a 1968 (embora tenha sido formado em 1965). Teve enorme influência na música desse tempo, quando gravou 5 LPs (apenas).








A incrível harmonização das vozes de seus integrantes (JOHN e DENNY, os "papas", e CASS e MICHELLE, as "mamas") foi o diferencial que levou ao sucesso tão rapidamente.
O líder e compositor do grupo era John (marido de Michelle) e o principal vocalista era Denny.

Os quatro conviveram de forma tumultuada. Teve romance de Michelle com Denny (por quem Cass era apaixonada). Teve expulsão de Michelle do conjunto por isso. Teve reconciliação dos dois posteriormente. Teve briga de Cass com John (que causou a saída dela).UFA!!! com tudo isso dá pra entender porque o grupo não teve vida longa.




O pouco tempo de união foi suficiente para que marcassem, de forma muito especial, as dezenas de canções que gravaram (inclusive de outros artistas), tais como: Hey Girl, Do You Wanna Dance, Got a Filling, Twist And Shout e For The Love Of Ivy.




Cass (a gordinha) faleceu em 1974, com 33 anos. John em 2001, com 65 e Denny em 2007, com 66.
Michelle, que também foi modelo e atriz, é a única integrante sobrevivente.
Eles nos deram lindas interpretações enquanto juntos (embora vivessem, pelo que parece, num verdadeiro inferno astral).
Veja matéria sobre outros cantores aqui e aqui.

Clique na telinha para ver a turma cantando "California Dreamin":




AVISOS - MURAL DE LEMBRETES

  • Próxima atualização: 30.10.10 
  • Veja todo o acervo acumulado
  • Ajude seus parentes e conhecidos "mais vividos" a  viajarem ao Passado através deste Blog
  • Clique nas imagens, para aumentá-las

IMAGENS - Velharia: Eleição de 1954

Um flagrante de apuração de votos. O resultado de uma eleição de nível federal demorava dias para ser apresentado.





Mais velharia aqui e aqui.

IMAGENS - Gibi: "All-True Crime"

Gibi americano que quadrinizava casos de crimes reais.
Revistas desse tipo (com conteúdo forte de terror, nudez, violência, etc) grassavam pelo país. Essa situação evoluiu tanto que, em 1954, sob intensa pressão dos políticos e associações civis, as editoras de gibis ("comics") resolveram implantar um código de ética (que não deixava de ser uma auto-censura).

1947



1948



Um selo reproduzido na capa indicava que o produto havia sido aprovado ("comics code authority"). Estudiosos até hoje debatem esse sistema. Muitos argumentam que a criatividade dos autores da época foi tolhida, não se preocupando com a inadequação desses quadrinhos para a rapaziada (não só dos Estados Unidos) que, afinal, sera o seu mais direto consumidor.


1951


 
Anos depois essa auto-regulamentação chegou ao Brasil. Começou em 1960/61 e atravessou a década. Nossos gibis também passaram a trazer o selinho impresso na capa, indicando que estava de acordo com a versão brasileira do tal código de ética (mera papagaiada?)

Anos 60