quarta-feira, 30 de março de 2011

FATOS - MODA: Roupas femininas dos anos 60 (tailleur e mantô)

Mais alguns "modelitos" que faziam sucesso nos Anos Dourados. Estes abaixo são de 1963.



 Modelo de "tailleur" (uma roupa feminina muito usada nos anos 50/60):







Um mantô (para ser usado sobre calça comprida ou vestido sem manga)







Vestido de linho abotoado nas costas (que pode ser usado com o mantô)






Veja mais moda:

1961   -   Par de vaso   -   Par de vaso infantil   -   Moda Praia   -   Anos 60   -   Roupas esportivas

IMAGENS - Velharia: Pentinho "Flamengo"

Pentinho no bolso de trás da calça fazia parte do "enxoval" de acessórios com que os adolescentes (e os nem tanto) saiam de casa nos anos 50 (em parte dos anos 60, também).





O uso era tão disseminado que esse objeto era dado como brinde em campanhas políticas.
Os cabelos "cheios" estavam sempre bem penteados, com a ajuda dos pentinhos (e da brilhantina, é claro!).


1958



1960



Havia diversos tipos, cores e material (até, de osso). Não importava. O que interessava era a marca: tinha que ser "FLAMENGO". Exceto, talvez, para alguns poucos, nada tinha a ver com paixão por time de futebol. Era pela qualidade, mesmo. Tão flexível que não quebrava como os outros no "senta e levanta" do "trabalhoso" dia da rapaziada. Não ficava "banguela" e nem arranhava ao pentear.
Esse pente era fabricado pela empresa Flex-a Carioca.


Veja mais velharias clicando nos títulos:    Televisão Philco   -   "Vespa"   -   "Conga"   -   Brinde Kibon

"Kodak"   -   Guias de S. Paulo   -   Armazém antigo   -   Cigarro "Fulgor"    -   Rádios Antigos   -  GUMEX

FATOS - Cinema Brasileiro ("Lampião, Rei do Cangaço" - "Bôca de Ouro" - "A Ilha" - "Vidas Sêcas")

Quatro obras-primas do nosso cinema, lançados em 1963:


aventura



drama



drama



drama

AVISOS - MURAL DE LEMBRETES

* Próxima atualização: 15.04.2011

* Clique nas imagens, para aumentá-las

* Veja todo o acervo acumulado (centenas de matérias). Clique em "ASSUNTO" (na coluna ao lado) ou "POSTAGENS MAIS ANTIGAS" (no final desta edição).

* RECORDAÇÕES E LEMBRANÇAS estimulam as funções cerebrais. Divulgue este blog aos parentes e conhecidos "mais vividos"


*********************
Por motivos técnicos, as 2 últimas matérias (posts) desta edição ficaram localizadas na página da edição anterior. Para acessá-las clique em "POSTAGENS MAIS ANTIGAS" (NO FINAL).


IMAGENS - Carro: "CADILLAC CONVERTIBLE COUPE"

Mais um carrão americano. Este Cadillac é de 1941.














Veja mais carros antigos clicando nos títulos:

Buick/Ford   -   Station Wagon   -   Fusca "Pé de Boi"   -   Simca   -   Buick Skylark   -   "Vovôs"   -  Aero Willys   -   Bentley   -  Ônibus

IMAGENS - Anúncio: "ARNO"

Em 1940 um imigrante italiano fundou uma pequena empresa, em São Paulo, para fabricação de motores elétricos (mais tarde, peças para automóveis).


1950   /   1954



Era o embrião da ARNO, que surgiu alguns anos depois (1945), numa época em que o Brasil ainda não era industrializado.
No final dessa década já inicava a fabricação de enceradeiras, aspiradores, panelas de pressao e liquidificadores.


1957   /   1958




















Quantas de nossas mães e avós não foram as pioneiras no uso dos primeiros eletrodomésticos produzidos no país? E graças à empresa ARNO que, hoje, pertence a um poderoso grupo francês (sem nenhum vínculo com a família ("Arnstein") do fundador.



Veja mais anúncios:




IMAGENS - Velharia: "FOLHINHA DE SÃO PAULO"

Suplemento infantil do jornal "Folha de São Paulo".
Quase cinquentenário, teve seu primeiro número publicado como um dos cadernos da edição de domingo (dia 08.09.1963). Permaneceu décadas assim. Hoje é encarte da edição de sábado.



nº 1 - 1963 -  capa



nº 1 - 1963 - página interna



As matérias eram de caráter educativo e recreativo (ciências, literatura, divertimentos, ilustrações, HQ, fotos e notícias).
A "Folhinha" foi criada pela jornalista Lenita Miranda ("Tia Lenita")  e pelo desenhista Maurício de Souza (que havia iniciado sua vitoriosa carreira de cartunista, alguns anos antes).



1964


Para ver mais velharias, clique nos títulos:



IMAGENS - Gibi: "O HOMEM DO RIFLE"

No Velho Oeste americano (só lá mesmo) um rancheiro viúvo toca a vida com seu filho pequeno. Passava grande parte do seu tempo (como mostrava os gibis e séries) defendendo os cidadãos honestos  das maldades dos bandidos da região.


1962



Seu apelido advinha da enorme destreza com que manejava o rifle, uma WINCHESTER "envenenada" que cuspia balas em disparos ultra rápidos.
Mas, diferentemente de muitos heróis do faroeste, ele até que era de paz, usando sua terrível arma com muita parcimônia.
  

1963


Como alguns outros colegas (Paladino do Oeste, Bat Masterson, O Homem de Virgínia, etc) também tinha uma série muito popular na televisão (anos 60), cujos atores eram os das capas dos gibis mostrados acima.
Veja outros gibis clicando nos títulos:   Abott & Costello   -  Cavaleiro Negro   -   Brasinha   -   
O Falcão Negro   -    Gibi em cores   -   Rin Tin Tin    -   Bozo   -   Edição Maravilhosa


IMAGENS - Brinquedo: "FUSCA RÁDIO PATRULHA"

Mais um brinquedo de lata e baquelite. É da "Estrela": um fusquinha viatura policial, de 1959.










Veja aqui os verdadeiros  fuscas rádio patrulhas dos anos 50/60, que eram chamados de "baratinhas".





IMAGENS - Escola: "CARTILHA DO TATU"

Usada na década de 30 e seguintes, em escolas de diversos estados do país.
Este Caderno de Alfabetização era chamado de Cartilha do Tatu tendo em vista sua primeira lição (foto).
O exemplar abaixo é dos anos 60.














Clique nos títulos para ver mais livros escolares:

Tabuada   -   Cartilha Sodré   -   Canto Orfeônico   -   Coração Infantil   -  Programa Escolar  

FATOS - Programa de TV: "NINO, O ITALIANINHO"

Foi uma novela que passou na TV TUPI, de maio de 1969 a julho de 1970.
A história se desenrolava no bairro do Bixiga, tradicional reduto da colônia italiana, na cidade de S.Paulo.


Parte do elenco, destacando-se Marlos Plonka e Dirce Migliaccio (esq.)


A emissora foi esperta: tinha simplesmente arrasado com a novela anterior (encerrada um mês antes) em que o protagonista era um imigrante português chamado Antônio Maria ( o ator Sergio Cardoso) que também era o título do trabalho. 
Se um português fez um estrondoso sucesso, por não, agora, um italiano? E ainda por cima, criado pelo mesmo Geraldo Vietri?


Aracy Balabanian(Bianca), Juca de Oliveira (Nino) e Bibi Vogel (Nathália)


Portanto, lá estava Juca de Oliveira encarnando "Nino" (que foi outro grande êxito da TV Tupi).
O italiano chegou ao Brasil ainda adolescente. Depois de muito ralar, chegou uma confortável situação como proprietário de açougue. Era muito querido por todos da comunidade. Apaixona-se por Nathália, uma ambiciosa moradora da vila que nada queria com ele por estar de olho no jovem, desimpedido e milionário patrão.


a bela Bibi Vogel



Capítulo vem, capítulo vai, Nino acaba se aproximando de Bianca, a simples e tímida vizinha (com defeito na perna que a fazia mancar) que o amava secretamente e o faz esquecer de Nathália. Os dois apaixonados se casam, no final da novela, e são felizes para sempre.


Nino e Bianca em seu casório


"Nino, o Italianinho" marcou a televisão brasileira (bem como a carreira de Juca de Oliveira).

Elenco central:


Juca, como Nino (o italianinho)
Aracy Balabanian, como Bianca (a manquinha)
Bibi Vogel como Nathália (a interesseira)

Os dois primeiros continuam em atividade (estão na Globo). Bibi faleceu em 2004, na Argentina.

Veja mais programas de tv:

O Direito de Nascer   -   Alô, Doçura   -   Os Intocáveis   -   A Cabana do Pai Tomás  -  Luta Livre

IMAGENS - Gibi americano: "SUPERMAN"

Belos gibis americanos dos anos 40 com o "nosso" velho conhecido "SUPER-HOMEM".














Veja mais gibi americano:

Batman & Robin   -    Donald Duck   -   Roy Rogers   -   Dale Evans  -  Plastic Man

FATOS - Notícias da Época - Posse de Jânio Quadros (Em 01 de fevereiro de 1961)

"JÂNIO QUADROS RECEBE A FAIXA PRESIDENCIAL"




Às 12h20 de ontem o Presidente Jânio Quadros recebeu das mãos de Juscelino Kubitschek a faixa presidencial. Os dois foram ovacionados pela grande multidão que se concentrava em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília. Antes, Jânio havia sido diplomado pelo Tribunal Superior Eleitoral, tornando-se o  primeiro Presidente a ser empossano na nova Capital Federal.






Estima-se que mais de 20 mil pessoas compareceram ao local da solenidade, com muitas faixas e bandeiras. Terminados os curtíssimos discursos a cerimônia foi encerrada com a execução do Hino Nacional pela Banda dos Fuzileiros Navais.





Em seguida, Juscelino deixou o parlatório para entrar no Palácio, seguido por Jânio e seu vice João Goulart. Pouco tempo depois o ex-Presidente dirigiu-se ao aeroporto. Lá, antes de embarcar para Paris com os familiares, ouviu breves discursos de auxiliares mais próximos e despediu-se dos presentes, muito emocionado.


Leia outras notícias da época, clicando nas manchetes:

IMAGENS - Disco: "OS INCRÍVEIS"

Conjunto de rock formado em 1962, como "The Clevers". Anos mais tarde, problemas com empresários forçaram a mudança  do nome para "Os Incríveis".
Alcançou o auge (já com a nova denominação) na época de Jovem Guarda. Ganhou inúmeros prêmios, inclusive o consideradíssimo "Roquete Pinto".

1964




Fez longas temporadas no exterior, principalmente na Itália (onde chegou a gozar de grande prestígio) graças à cantora Rita Pavone.
Essa turma fazia tanto sucesso que chegou a ter um programa próprio na televisão e era a estrela principal do elenco da sua gravadora. 

   
 1967

 

 1967

 
   
Mesmo com toda essa bola "Os Incríveis" teve vida efêmera : em 1972 o sonho acabou! (alguns discos saíram depois disso, mas eram meros artifícios dos estúdios).


1968


  

Ah! Não se pode deixar de lado um episódio acontecido em 1970 que deixou fortes sequelas:  Mingo, Risonho, Manito, Netinho e Neno/Nenê gravaram, cheios de boa intenção, uma bonitinha música  (da dupla Dom e Ravel) que estourou no país todo. Era uma exaltação à Patria, nada mais que isso. Só que, no contexto político da época, soou como uma apologia à ditadura vigente (justamente num de seus períodos mais violentos): "EU TE AMO, MEU BRASIL". Uma marchinha ufanista em ritmo de fanfarra (que lembrava uma parada militar!).


Clique na telinha para ouvir essa música com "Os Incríveis" (e ver, de lambuja, belas imagens):







Claro que foi explorada ao máximo pelos detentores do poder, que a transformaram numa espécie de hino.
Pouco tempo depois essa rapaziada voltou à carga: gravou um compacto com o Hino Nacional e o Hino  da Independência! (coisa nunca feita antes por artistas, com esse destaque). Um conjunto super popular despertando o patriotismo no povo. Qual o problema? Nenhum! Só que os militares, mais uma vez, ficaram eufóricos com  esse outro mimo (involuntário, acredita-se).


 1971



Lembram-se da frase que o marketing da ditadura inundou o país "Brasil, Ame-o ou Deixe-o"? Pois tudo isso foi na mesma época. E os nossos inocentes(?) ídolos bem no meio desse turbilhão, que nada tinha a ver com a estima que os fans dedicavam-lhes.
Mas, voltemos aos anos 60. Algumas gravações inesquecíveis: Marcas do Que Se Foi, O Milionário, Molambo, O Relicário, Vendedor de Bananas, O Vagabundo, Kokorono Niji, Israel, Czardas, Era um Garoto que como.....
Esse conjunto deixou saudades. Ouça as duas músicas abaixo para relembrar os velhos tempos.


"O Milionário" (sucesso em 1968)





"El Relicário"(Sucesso em 1964)

Clique nos títulos para ver e ouvir outros discos:

Poly e Seu Conjunto   -   Trio Esperança   -   Elizete Cardoso   -   The Mamas & The Papas   -   Simonal




IMAGENS - Cartaz: "O VALENTE DE NEBRASKA"

Filme lançados nos Estados Unidos em 1953. Aqui passou no final do ano seguinte.
Trata de um tema muito abordado nos anos 50: a luta dos "peles vermelhas" do Velho Oeste americano contra os invasores brancos.






Um agente federal é destacado para negociar a paz com os índios, mas o chefe da tribo é assassinado. Aí a coisa pega!






É interessante saber ( pelos cartazes) que naquela época os americanos assistiam filmes em "3D". E deve ser verdade mesmo, pois a indústria cinematográfica deles sempre esteve anos-luz à frente de outros países.
Mas ... aqui também? O cartaz abaixo do mesmo filme (para os cinemas brasileiros) diz que SIM.








Veja outros cartazes:




FATOS - Efemérides Douradas

15.12.1960

A montadora FORD comunica ao governo a sua intenção de iniciar a produção de automóveis no país

06.12.1967

O time do Palmeiras-SP (1) tem 6 jogadores expulsos no jogo contra o Grêmio-RS (2) pela Taça Brasil. O jogo é encerrado antes do tempo regulamentar.

30.12.1959

Deputados Estaduais de SãoPaulo perdem a chamada "verba pessoal" em decisão, por unanimidade, da Assembléia Legislativa.

03.10.1950

Getúlio Vargas é eleito Presidente da República com quase metade dos votos válidos

IMAGENS - Revista: "SESINHO"

Foi uma revista infanto-juvenil que existiu de 1947 a 1960 no Rio de Janeiro e era patrocinada pelo SESI (Serviço Social da Indústria).


1952   /   1955




















Levava  as mensagens da Entidade sobre os conceitos e projetos de Educação e Trabalho direcionados aos filhos dos indústriários e sua família.


1956



Ela tinha um personagem central (o garoto "Sesinho" e sua turminha) que protagonizava os quadrinhos e as matérias.
Revista histórica, teve Ziraldo e outras figuras importantes do gibi brasileiro entre seus colaboradores




Clique nos títulos para ver outras revistas:

Filmelândia   -    Querida   -   Sétimo Céu   -   Seleções   -   Capas com Pelé   -   Diversões Escolares

Ellery Queen   -    Eletrônica Popular

IMAGENS - Velharia: Bicicletas antigas (MONARK-PROSDÓCIMO-PILOT)

Mais "magrelas" dos anos 60:


MONARK - 1960







PILOT - 1962



Clique nos títulos para ver outras  bicicletas antigas:

Caloi "Galo"   -    "Goricke"   -   Bicicleta motorizada   -   "Rumber"

FATOS - Parada de Sucessos

Mais músicas que marcaram os anos 60. Desta vez, alguns sucessos de 1966:

-"Michelle" (The Beatles)

-"Meu Bem" (Ronnie Von)

-"Strangers in The Night" (Frank Sinatra)

-"A Volta" (Os Vips) = Clique na telinha para ouví-la



 


Relembre, também, estas outras músicas:

Cabecinha no Ombro   -   Jambalaya   -   Petite Fleur   -   Oh! Carol   -   Marcelino, Pão e Vinho   -   Última Canção   -   Fica Comigo Esta Noite   -   Domingo no Parque   -   Pra Não Dizer Que Não Falei das Flores

ESTANTE DE LIVROS: "A MADONA DE CEDRO" / "O ADVOGADO DO DIABO"

Novas aquisições para nossa prateleira:


"A MADONA DE CEDRO"


Livro escrito em 1957, pelo autor brasileiro Antônio Callado. Seu enredo:
Um comerciante de Congonhas do Campo (MG) conta seu envolvimento, muitos anos antes, no roubo de uma valiosa peça artística e histórica da igreja da cidade: a imagem da Virgem (a madona do título), esculpida por Aleijadinho.



livro de 1957



Já em dias atuais, ele revive situação semelhante e precisa passar por grande provação para redimir-se do passado.
É um romance dramático, cheio de suspense e sentimento religioso, com personagens muito bem construídos. Em 1967 foi parar nas telas dos cinemas, com Leonardo Villar, Leila Diniz e Anselmo Duarte (monstros sagrados da época).



"O ADVOGADO DO DIABO"


Ao iniciar um estudo para canonização, a Igreja Católica designava duas pessoas para atuarem no processo: Um apurava todas as razões pelas quais o beato deveria ser santificado. Outra esmiuçava a vida do "candidato" à procura de algo que desaconselhasse a medida: era o chamado "Advogado do Diabo", que existiu durante séculos e foi abolida pela Igreja na década de 80.



livro de 1963



Esse é o tema central do famosíssimo romance do escritor australiano Morris West, publicado pela primeira vez em 1959. Um padre canceroso terminal e cheio de problemas existenciais é escolhido para exercer essa função num processo de canonização.  Deverá estudar a vida de um morto (a quem são atribuidos milagres) que é venerado, extra-oficialmente, pelos moradores de uma vila na Calábria (Itália).

Visite nossa biblioteca clicando nos títulos/autores:

José Mauro de Vasconcelos   -   A Muralha   -   Monteiro Lobato   -  Jorge Amado e outros