sexta-feira, 30 de abril de 2010

. . . . . . . .MURAL DE LEMBRETES. . . . . . . . .

  • Próxima atualização: 15.05.10
  • Aumentar a imagem: clicar nela
  • Ver matérias anteriores: clicar em "postagens mais antigas" (no final da edição) OU em "arquivo do blog" (idem)
  • Fazer um comentário: É só clicar em "comentários" (logo abaixo de cada postagem); escrever as observações; escolher modo de identificação e "publicar"
  • Recordar, além de gostoso, é uma coisa saudável: estimula a memória e faz bem à mente. Moste este blog aos seus conhecidos "cinquentões", "sessentões", ". . ."

***********************************************************

IMAGENS: Gibi: "Fantasma"

Gibi nacional. Outro herói dos anos 30 que encantava a criançada ( e os nem tanto) dos Anos Dourados. Sempre mascarado e de "uniforme" ninguém sabia quem era. Vivia nas florestas de Bengala (Índia) combatendo todo tipo de bandido. Mas, gostava mais de socar e prender piratas, pois seus ancestrais (nobres ingleses), pais do 1º Fantasma, haviam sido mortos por essa cambada quando viajavam de navio, 400 anos antes. No decorrer dos séculos cada Fantasma que morria era substituído por um descendente sem que ninguém, sequer, desconfiasse tratar-se de uma outra pessoa. Por isso os nativos julgavam-no imortal, chamando-o de "espírito que anda". A dinastia só era conhecida pelo amigo "GURAN", chefe da tribo de temidos pigmeus que conviviam com nosso herói. Sempre combatendo o mal, ainda achava disposição e tempo para namorar a bela Diana Palmer que residia nos Estados Unidos! O Fantasma não tinha super poderes, mas era forte prá valer: cada soco que dava era uma marca da caveira que ficava para sempre no queixo do malfeitor. Morava numa enorme caverna cheia de tesouro, que tinha o nome de "Caverna da Caveira" (onde havia um imponente trono que usava para descansar e receber os nativos amigos). Quando saía da floresta (para ver a namorada e outras atividades "urbanas") usava um disfarce: casacão que chegava aos pés (fechado até o pescoço e com a gola levantada), chapéu e óculos escuros. Esse era seu traje "social", fizesse sol ou chuva, calor ou frio! Seus outros companheiros de aventura: "Herói" (cavalo) e "Capeto" (lobo)





Gibi de 1957:





Gibi de 1960:




Outros heróis aqui, aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Dinheiro: Notas de Cruzeiro

As notas abaixo circularam nos anos 40-50-60 e 70(início). A de maior valor, a molecada não via nem o cheiro.
Cr$ 20,00 (Marechal Deodoro) - Cr$ 50,00 (Princesa Isabel) - Cr$ 500,00 (D.João VI)




Veja outras notas já publicadas: 01 - 02 - 03 - 04 - 05 - 06 - 07 - 08

IMAGENS - Anúncio: "Modess"

Anúncio de 1953. Que texto !!!!




Veja mais anúncios com conteúdo ESQUISITO aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Velharia: "Panair do Brasil"

Mais um ícone empresarial que se foi. A Panair foi uma das primeiras companhias aéreas do Brasil. Nascida no final dos anos 20, sempre despontou como líder na nossa aviação civil. Sua denominação social veio da gigante americana "Pan American", que era a proprietária. Nos anos 40 iniciou-se um lento processo de passagem do controle acionário para empresários brasileiros, que só veio a ser concluído nos primeiros anos da década de 60. Em janeiro de 1965 o governo militar (que há pouco havia assumido o poder) cassou a licença de operação da Empresa, sob alegação da existência de dívidas para com a União e outros motivos. Esse fato levou, alguns dias depois, à decretação da falência pelo Judiciário. Até hoje essa questão permanece polêmica. O que, realmente, levou o Pres. Castelo Branco à decisão de cassar a licença ? Há diversas versões, dentre as quais: favorecimento à concorrente VARIG; perseguição aos proprietários (não eram simpáticos ao novo regime); insolvente, a firma não tinha como continuar operando; relacionamento com a ex-controladora americana. O tempo passou mas as especulações continuam até hoje. Naquela época seus concorrentes,nas linhas domésticas, eram: Varig, Real, Vasp e Cruzeiro do Sul (seus aviões, também, não mais cruzam os "céus do Brasil")
Avião de 1963:

Anúncio de 1959:

Bilhete de 1953:

FATOS - Parada de Sucessos

Mais sucessos de 1965:

-"The House Of The Rising Sun" (The Animals)

-"Sabor a Mi" (Edye Gorme & Trio Los Panchos)

-"Festa do Bolinha" (Trio Esperança)

-"Não Quero Ver Você Triste" (Roberto Carlos)

-"Querida" (Jerry Adriani)

IMAGENS - Brinquedo: " Batalha dos Piões"

Fabricado pela Estrela no final dos anos 60. Era um bate-bate engraçado dos piões dançando no picadeiro e voando para todos os lados. A criançada se divertia com as peças se chocando.




Mais brinquedos aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Velharia: Fascículo de Radioteatro

Há quem diferencie "radionovela" de "radioteatro". Para o ouvinte não fazia diferença. Pouco se importava se o programa era de uma história cubana, venezuelana ou mexicana de infinita duração. Ou de uma peça de autores brasileiros de poucos capítulos. O que ele queria (e normalmente tinha) era uma bom enredo, cheio de emoção e conflito. Esses programas de rádio eram a conqueluche dos anos 40 e 50. Com a popularização da TV eles perderam seu poder de sedução e comunicação, dando lugar às telenovelas. Abaixo, fascículos (que eram vendidos em bancas de jornal) com os textos dos capítulos transmitidos pela emissora de rádio na semana anterior (ou quinzena). Vinham, também, com um resumo do que "rolou" até aquela data. Quanto às obras literárias dos fascículos abaixo, uma observação: "Direito de Nascer" tudo bem. Dá prá entender. Mas . . . "Direito de Matar"? Que história é essa?


De 1952:


De 1953:


Aqui, mais sobre radionovela.

IMAGENS - Anúncio "Tele-Visex"

Anúncio de 1951. Puxa! O aparelho já mostrava imagens em 3-D!


IMAGENS - Velharia: Relógio de Bolso

Quem, dos "mais vividos", não tem esta cena no cantinho da memória: um circunspecto senhor tirando do bolsinho do colete ou da calça um relógio sem pulseira e preso à roupa por uma correntinha (às vezes sem ela). Podia ser nosso avô, nosso pai, ... Um ato corriqueiro (de ver as horas) feito com elegância e cerimônia.
Até os anos 50 isso era comum. Depois foi rareando com o passar dos anos.
Os relógios de bolso davam distinção ao seu dono. Alguns modelos, mais sofisticados, tinham uma capa de metal, da mesma cor do relógio, que servia para proteger o vidro. Para ver os mostradores era preciso levantá-la. Um movimento a mais, mas que não aborrecia o dono.
Antiguíssimo, começou a ser desbancado no início do século XX pelo de pulso que, dizem, foi inventado pelo nosso Santos Dumont (?).
Com certeza a praticidade de se ver a hora no pulso é que levou o relógio de bolso à "aposentadoria", apesar do seu charme. Hoje ele é, basicamente, objeto de adoração por colecionadores, atingindo altos preços. Interessante: Não se via mulher com esse tipo de relógio. Será por falta de bolsinho?








Mais velharias aqui e aqui.

IMAGENS - Gibi: "Action Comics"

Gibi americano de 1949. Ué, a Lois Lane também é super? Claro que não. É só ler a história, que lá está tudo explicado! (mas tem que ser super para encontrar um exemplar desse gibi).




Mais desse gibi aqui e aqui.

FATOS - Cinema Brasileiro

Também foram lançados em 1961:

-"O Viúvo Alegre" = comédia com: Zé Trindade, Jaime Costa e Iris Bruzzi

-"Um Candango na Belacap" = comédia com: Ankito, Grande Otelo e Marina Marcel

-"Três Colegas de Batina" = comédia com: Trio Irakitan, Eliana e Herval Rossano

-"Briga, Mulher e Samba" = comédia com: Ronaldo Lupo, Renata Fronzi e Átila Iório

FATOS - Programas de TV

"Eu Compro Essa Mulher". Novela de época da escritora cubana Glória Magadam produzida e transmitida pela GLOBO em 1966. A autora era contratada para cuidar do setor de tele-dramaturgia da, então, recém-inaugurada emissora de TV.
Na história, Carlos Alberto (galã da época) casa-se com Yoná (ainda não famosa como hoje) só para vingar-se da família dela, que havia destruído seu pai. Só que . . . ele acaba se apaixonando por ela. Credo!
Essa novela foi baseada no romance mundialmente conhecido "O Conde de Monte Cristo".
Protagonistas: Carlos Alberto (falecido), Yoná Magalhães (ainda no batente) e Leila Diniz (falecida).
No transcorrer dos trabalhos Yoná e C. Alberto se tornaram marido e mulher na vida real. Também formaram o primeiro par romântico da telenovela brasileira.
Na foto abaixo os três protagonistas em ação.



Mais programas de tv aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Cartaz: Filmes ganhadores de "OSCAR" nos Anos Dourados-V

Estes também ganharam a estatueta de "Melhor Filme":

Em 1953: "O maior Espetáculo da Terra"


Em 1955: "Sindicato de Ladrões"



Em 1956: "Marty"




Em 1959: "Gigi"



Em 1962: "Amor, Sublime Amor"



Em 1964: "As Aventuras de Tom Jones"



Em 1968: "No Calor da Noite"



Nota: Com estes cartazes chega ao fim a sessão "OSCAR" nos Anos Dourados. O filme "Ben Hur" também foi OSCARIZADO (em 1960). Seu cartaz já foi publicado anteriormente (veja aqui).




FATOS - Notícias da Época - Lançado o Sputnik I

A União Soviética lançou ontem, com sucesso, o primeiro satélite artificial da Terra. Foi um feito impressionante que põe os comunistas um passo à frente na corrida espacial E.U.A x U.R.S.S. Espera-se que o "SPUTNIK I" (nome dado à esfera de metal de, aproximadamente, 83 kg e 58 cm de diâmetro) fique orbitando nosso planeta por alguns meses antes de cair.
Ele completa uma volta a cada 90 minutos. Apenas 5 horas após o lançamento já haviam radioamadores, em todo mundo, captando o seu histórico sinal (bip-bip-bip) que será analisado pelos cientistas russos.
O objetivo é obter informações sobre como as ondas de rádio são refletidas na camada da ionosfera. Em 05.10.1957.





Outras notícias aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Alimento/Bebida: "CRUSH"

É difícil achar alguém, da época, que não se lembre daquela garafa marrom escuro (âmbar, como preferem alguns), toda ondulada ou sanfonada do refrigerante Crush dos anos 50. Era um refri de laranja, de cor e gosto bem próximos da atual "Fanta". Ao contrário da Coca-Cola (que nunca escondeu ser artificial) o Crush era divulgado como de suco natural. Hoje isso é tão importante que existe lei obrigando um percentual mínimo de suco de fruta, em produtos correlatos. Naqueles tempos não vigorava esse pensamento. Por isso, a pergunta que não quer calar: Será que era verdade? Em todo o caso, era uma delícia!
Os "de mais idade" na época consumiam o Crush, também, nas festas, bares noturnos, bailes, etc, por um motivo mais especial: junto com vodka ele formava o, então, apreciado DRINQUE "HI-FI" (o famoso "Rai-Fai"). Seu concorrente era coca-cola com rum, que dava a "CUBA-LIBRE".


Garrafa dos anos 50


Anúncio de 1951


Veja outras publicações aqui, aqui e aqui

IMAGENS - Carro: "Buick Skylark"

De 1953. Mais um "grandalhão".É um "duas portas" conversível. A Buick, divisão da Chevrolet americana, fabricou esse modelo nos anos 53/54. Dá para ver que os designers daquela época gostavam de ornamentar os carros com bastante peças cromadas.









Outros carrões aqui e aqui.

IMAGENS - Velharia: Câmera Kodak "Rio 400"

Em 1965 a Kodak lançou sua primeira camêra fabricada no Brasil. Deu a ela o nome de "RIO 400" em homenagem ao IV CENTENÁRIO da cidade do Rio de Janeiro. Ela usava filme (de rolo) "127". Antes, a Kodak travalhava com a fabricação de papel fotográfico, revelação de filme e venda de produtos fotográficos importados.







Veja outras velharias aqui, aqui, aqui e aqui.

IMAGENS - Escola: Coleção "Coração Infantil"

Uma das mais conhecidas séries de livros didáticos dos anos 50 e 60. Começava com a cartilha e seguia os "anos"(1 a 4) do Curso Primário com livros de texto para sedimentação e ampliação do vocabulário dos estudantes. O autor, Prof. Vicente Peixoto, em sua vida profissional lecionou em cidades do interior do estado de S.Paulo, bem como na capital paulista.





Veja mais material escolar: 01 - 02 - 03 - 04

IMAGENS - Revista: "Intervalo"

Mais exemplares de "Intervalo" para relembrar alguns daqueles que nos entretinham na telinha da TV, em 1964.






Mais dessa revista aqui e aqui

quinta-feira, 15 de abril de 2010

. . . . . . . .MURAL DE LEMBRETES. . . . . . . . .


  • Próxima atualização: 30.04.10

  • Para aumentar a imagem: clicar nela

  • Ver matérias anteriores: clicar "postagens mais antigas" (final da edição) OU "assunto" (aqui ao lado) OU "arquivo do blog" (idem)

  • Fazer um comentário é muito simples. Faça o seu.

  • Recordar, além de gostoso, é saudável: estimula a memória e faz bem à mente. Mostre este blog aos seus conhecidos "cinquentões", "sessentões", " ...".

**********************************************************

IMAGENS - Velharia: "James Bond"

Quem nunca assistiu a um filme dele? Quem não leu, pelo menos, um livro seu? Ou um gibi? Ou não sabe quem ele é? Entre a rapaziada dos anos 60 é difícil achar alguém que se enquadre nessas perguntas. James Bond, o agente secreto britânico "007", que tinha permissão para .... matar! (o famoso "00" do seu codinome). Isso era "o máximo" para os jovens leitores e espectadores da época.
O primeiro filme de 007 foi "007 Contra o Satânico Dr. No", com seu mais famoso e eterno intérprete SEAN CONNERY. Esse filme estreou em Londres em outubro de 1962 e chegou ao Brasil apenas 6 meses depois (isso não era comum). Aí começou a saga!
Os filmes "Bondnianos" marcaram época com os vilões, as "bondgirls",os ambientes luxuosos, as músicas, a parafernália tecnológica, e ... James Bond. O criador do agente mais famoso do mundo foi IAN FLEMING (escritor inglês falecido em 1964) que escreveu o primeiro livro da série em 1953 ("Cassino Royale").
São dos anos 60 os filmes mais memoráveis do herói cuja apresentação era "Meu Nome é Bond, James Bond":
=007 Contra o Satânico Dr. No (1962) - 2ª foto abaixo -
=Moscou Contra 007 (1963)
=007 Contra Goldfinger (1964) - 1ª foto abaixo -
=007 Contra a Chantagem Atômica (1965)
=Com 007 Sé se Vive Duas Vezes (1967)
=007 A Serviço Secreto de Dua Majestade (1969)





Gibi de 1963:


Livros de 1965:




FATOS - Parada de Sucessos

Mais sucessos de 1958:

-"Little Darling" (Lana Bittencourt)

-"Bernardine" (Pat Boone)

-"Estrada do Sol" (Agostinho dos Santos)

-"Cu-Cu-Ru-Cu-Cu Paloma" (Duo Guarujá)

-"Cacho de Banana" (Arrelia e Pimentinha)

-"Frô do Ipê" (Cascatinha e Inhana)

IMAGENS -Cartaz: Filmes Ganhadores de "Oscar" nos Anos Dourados-IV

Outros que também receberam a estatueta de "Melhor Filme":


Em 1961 - "Se Meu Apartamento Falasse"




Em 1950 - "A Grande Ilusão"



Em 1969 - "Oliver !"









IMAGENS - Escola: Maleta Escolar

De madeira. Usada nos anos 50 , principalmente em cidades do interior e zona rural, por alunos do antigo "Grupo Escolar" (no chamado curso primário). Seu sucesso vinha do preço mais barato que a maleta de outro material (couro). Durava uma "eternidade". A tampa era nada mais, nada menos que tiras de madeira (tabuinhas) coladas em tecido (dá para ver na foto) que a tornava maleável. Para abrir e fechar era só soltar ou enganchar o fecho.
No espaço livre da frente da maleta vinha colado o desenho de um losango com as cores verde e amarelo. Com isso ela ficava mais bonita (mas logo o papel se soltava, devido ao "intenso" uso).
Todo o material cabia na maleta, pois não eram tantos: caderno,cartilha/livro,caixa de lápis de cor, régua, pequeno e simples estojo e mais algumas coisinhas. Geralmente tinha uma alça, pois levar debaixo do braço era incômodo(pela sua largura) e não havia pegador (por causa da tampa).
Hoje, nosso olhar para o passado traz à baila o que, felizmente, não éramos capazes de discernir: a "hierarquia sócio-econômica" da família de cada uma das crianças através do material da escola. Viam-se alguns poucos alunos com maleta de couro (surradas, pois muitas das vezes "herdadas" dos pais), outros, em maior número, com esta maleta de madeira e, ainda, outros (que não podiam comprar nenhuma das duas) com sacola rústica de pano grosso, com alça, que as mães faziam (o embornal). Só que a criançada não estava nem aí para isso. Nota: A foto abaixo foi gentilmente cedida pelo Museu da Cidade de Salto, pelo que agradecemos ao Sr. Elton. Visite o site do museu aqui.



IMAGENS - Carro: "Hudson Wasp"

Automóvel americano de 1953. Sua produção durou pouco tempo: de 1952 a 1954. Só de olhar as fotos, já dá para imaginar a maciez e o conforto do "grandalhão". Pergunta que não quer calar: qual seria a utilidade dos dois ferrinhos na lateral, perto de cada pneu ?