sábado, 15 de maio de 2010

IMAGENS - Velharia: "Parker 51"

Nos anos 50 usar uma caneta-tinteiro "Parker 51" estava na moda e era o maior charme. Mas ela não era para qualquer um, não! Custava muito mais que as outras. Constituia-se em um "objeto de desejo" pela sua beleza, maciez e tecnologia. A fabricação dessa caneta (em seus vários modelos) teve início em 1940 e prosseguiu no decorrer dessa década. Teve esse número acrescido ao nome como símbolo dos 51 anos da fundação da empresa (que havia patenteado sua primeira caneta em 1889!). Não é exagero afirmar que a Parker 51 marcou uma época.
Os orgulhosos donos só abasteciam sua "preciosidade" com tinta Parker, denominada (até hoje) "Quink" (quem não se lembra da tinta "azul permanente" e "azul lavável" ?).
Foi a caneta que teve o maior sucesso de venda em todo o mundo. Em 1959 foi inaugurada a primeira fábrica no Brasil.
Na 2ª metade dos anos 50 foi lançada a "PARKER 61" (que aqui chegou no começo dos anos 60) com sistema de enchimento revolucionário: era só colocar a ponta trazeira (que tinha tecido absorvente) no tinteiro que ela se enchia automaticamente! Muitos tiveram o privilégio de viver os áureos tempos dos dois ícones, pois quando a "61" entrou no Brasil, a "51" ainda era "estrela".
Em 1961 o Brasil começa a produzir o ALGOZ das canetas-tinteiros (sejam baratas ou caras): a ESFEROGRÁFICA.
Ah! Antes de terminar é preciso citar um objeto indispensável nos tempos das canetas de pena e, também, das canetas-tinteiros: o "MATA-BORRÃO" (que fica para uma edição futura). Abaixo, fotos da Parker 51.










Mais aqui e aqui

11 comentários:

Luiz de Aquino disse...

No meu aniversário de 10 anos, em setembro de 1945, minha mãe presenteou-me com uma Parker 21 - modelo mais simples da famosa marca e uma espécie de promessa: se eu continuasse estudioso, poderia bem ganhar uma Parkr 51, talvez aos 15 anos... Náo sei bem quando, nem de quem a ganhei, mas recordo-me de ter uma Parker 51, mas o meu carinho fico sempre para aquela do final do curso primário. Tinha a "fuselagem" menos fina que a vedete da marca e o clip náo era a seta, mas uma fina haste com um sulco. E ambas as minhas canetas Parker eram em azul, como a do foto...

"blcamargo" disse...

Valeu Luiz! Obrigado pela visita e comentário. Fico feliz em saber que essa matéria serviu para trazer-lhe felizes lembranças. Grande abraço.

Anônimo disse...

Durante algum tempo imaginei que o 51 que acompanhava a caneta Parker 51 estava relacionado ao ano de sua fabricação.Numa publicação da revista Seleções do inicio dos anos 40 vi com surpresa uma propaganda da caneta Parker 51.Como seguidor do décimo primeiro mandamento que autoriza o sofisma passei a dizer que era contemporâneo da Parker 51 e sou efetivamente, pois nascí e 1942.

"blcamargo" disse...

Grato pelo simpático comentário. Volte sempre. Abração.

Edmilson Rodrigues do Ó disse...

A caneta Parker "51" sempre foi e provavelmente continuará sendo a mais charmosa e clássica caneta de todos os tempos. No 51º aniversário da Parker Pen Company, ocorrido em 1939, foi lançado esse produto que embelezou o mundo. No ano de 1957 eu adquirí dois exemplares da famosa Parker "51" as quais ainda se encontram em meu relicário em perfeito estado de conservação, originalidade e funcionamento.

"blcamargo" disse...

Muito obrigado, Edmilson, pela visita e belo comentário. Volte sempre. Abração.

Thiago Lemberg disse...

Olá, estou pesquisando e fiquei satisfeito em saber sobre a história desta famosa caneta. Infelizmente não marquei época nessas datas, pois nasci em 84. Contudo, possuo duas destas Parker 51 que funcionam muito bem até hoje, sendo uma bordo e outra verde. Uma delas está com a tampa um pouco deteriorada pelo uso por meu avô. E a outra está muito boa, mas preciso centrar a pena que está um pouco deslocada. Alguém conhece algum lugar em Curitiba/PR? Obrigado.

Henrique Velloso disse...

A parker 51 só tem um defeito, quem compra a primeira não para nunca mais, tenho mais de 80 e sou apaixonado pelas minhas canetas e até hoje garimpo novas joias para a coleção. Alegria para a escrita e para os olhos.

Vinicius Rivas disse...

será que alguém sabe em que edição das Seleçoes do Reader´s Digest saiu a propaganda das canetas Parker em que Manuel Bandeira segurava uma caneta e em segundo plano aparecia aquele poema denominado "Irene no céu"?

Vinicius Rivas disse...

será que alguém sabe em que edição das Seleçoes do Reader´s Digest saiu a propaganda das canetas Parker em que Manuel Bandeira segurava uma caneta e em segundo plano aparecia aquele poema denominado "Irene no céu"?

Carlos ALBERTO TEIXEIRA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.