sexta-feira, 15 de junho de 2012

FATOS - Diversos: "HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA" - "Programa Silvio Santos" (de RÁDIO)

Até boa parte dos anos 60 o aparelho de rádio reinava absoluto em quase todos os lares brasileiros que tinham energia elétrica. Era a principal fonte de informação e grande instrumento de lazer de milhões de famílias.
E, já desde o final dos anos 50, uma atração era campeã de audiência até onde chegavam os sinais da histórica Radio Nacional de São Paulo (mais tarde Rádio Globo): o programa que um certo Silvio Santos (sim, ele mesmo!) fazia diariamente, na parte da manhã. Era o  "Programa Silvio Santos" que, dentre outros, tinha um quadro chamado "HISTÓRIAS QUE O POVO CONTA", às 9 horas.


(Silvio fazendo o programa, no final dos anos 50)
.



Nesse momento as "impressionadas" e "concentradas" avós, mães e tias exigiam silêncio absoluto da assustada criançada ao redor (nem precisavam!). A narração era feita pelo próprio Silvio (anos depois, pelo seu irmão Léo Santos) e atores faziam a dramatização da história do dia (mandada por ouvintes) que se constituía em um conto do sobrenatural com direito à assombração, fantasma, alma do outro mundo, etc.
Para completar o "ambiente", a música de fundo também ajudava a mexer com os nervos do pessoal. Naqueles momentos, a imaginação corria solta!


Dois detalhes importantes:

1) O quadro sempre terminava com Silvio Santos dizendo (todo "solene"): Pode ser verdade, pode ser  mentira. Pode ser apenas fruto da imaginação. Enfim ... são histórias que o povo conta".

2) A música (dramática) nada mais era que o TRECHO INICIAL   do filme "OS DEZ MANDAMENTOS" ("The Ten Commandments", grande sucesso do cinema americano de 1956.

Clique na telinha e ouça (pelo menos os primeiros 25 segundos) essa música que muito contribuía para formar o clima "sombrio" do quadro.


Veja como era o Brasil nos anos 50 e 60 pelos números do IBGE. AQUI e AQUI.

3 comentários:

Anônimo disse...

O PROGRAMA SILVIO SANTOS NO RÁDIO RESISTIU BRAVAMENTE ATÉ O FINAL DOS ANOS 80 NA RÁDIO RECORD, ANTES DESTA EMISSORA PASSAR AS MÃOS DA IGREJA UNIVERSAL. ME RECORDO DA ABERTURA, DA ASTRÓLOGA ZORA IONARA E DO SILVIO SANTOS FALANDO AS "COLEGAS DE TRABALHO"

Anônimo disse...

Me lembro desse programa na 1ª metade dos anos 60. Era garoto e escutava com atenção - e roendo as unhas - aos "causos". Era muito legal.
Mas a música de abertura não era assustadora e sim solene. Assustadora mesmo era um efeito sonoro que era usado junto à narração, quando ocorria o clímax da história. Era uma espécie de coral com sons que lembravam chicotes. Aquilo sim era apavorante.

Durval Santos disse...

Gostaria muito de saber por onde anda Maria Helena que também participava do quadro. Tinha uma vóz maravilhosa.